Minha lista de blogs

Pesquisar este blog

Seja Bem Vindo Ao Blog Do Frank Braga

Seja Bem Vindo e Deixe Seu Comentário


sexta-feira, 26 de julho de 2013

O supremo valor da cruz de Cristo



De acordo com o livro dos recordes Guinness, um homem judeu fora feito prisioneiro das autoridades soviéticas, por motivo de dissidência política, durante quinze anos. Consta nos registros que ele se tornara cristão quando estava na terrível prisão de Gulag e também que, nesse período de tão penosa experiência, fora sustentado pela sua fé no Messias Jesus Cristo e pela lembrança de seu filhinho de quatro anos, o qual esperava rever um dia.
       Quando finalmente foi libertado, aguardava com grande entusiasmo o tão acalentado reencontro com seu filho, agora com 19 anos de idade. Quando se abraçaram, o pai teve uma imensa satisfação ao perceber uma cruz pendurada em seu pescoço.
Depois de terem conversado a respeito de várias coisas, o pai perguntou:
— Filho, qual é o significado dessa cruz que você carrega no peito?
       — Para os jovens da minha idade, a cruz é apenas uma expressão da moda, nada mais — respondeu secamente o filho.
       A decepção daquele pai é a mesma de muitos cristãos fiéis, quando veem muitas pessoas com o mesmo comportamento daquele jovem. Para alguns, a cruz tem apenas valor estético. Outros a tomam como amuleto protetor. Não poucos a tratam como fetiche. Infelizmente, talvez para a maioria, hoje, a cruz não significa nada mais que um objeto fora de moda.
Assim como as ideologias e religiões trazem em seu bojo um símbolo visual que sintetiza algum aspecto importante de sua crença e história — o nazismo traz a suástica; o comunismo, a foice e o martelo; o judaísmo, a estrela de Davi; o budismo, a flor de lótus; o islamismo, o crescente — o cristianismo tem na cruz o seu mais importante símbolo visual.
       Independentemente das diferenças entre os cristãos, estamos todos à sombra da cruz. A morte de Cristo na cruz é o ponto de partida da fé; sem este fato histórico não haveria cristianismo. A cruz, porém, nada é sem o crucificado. Certamente isto ensejou Paulo a declarar: “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado” (1Co 2.2).
       A centralidade da cruz como símbolo cristão teve sua origem no coração do próprio Jesus. Por isso, a despeito do ridículo, pois a cruz era um objeto de maldição, os cristãos não a descartaram como símbolo nem a trocaram por outro menos ofensivo. Eles sabiam o que Jesus falara repetidas vezes sobre seu sacrifício na cruz: “O Filho do Homem será entregue nas mãos dos homens, e o matarão; mas, três dias depois da sua morte, ressuscitará” (Mc 9.31).
       Foi por intermédio da morte de Jesus na cruz que “Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo” (2Co 5.19).
A morte de Jesus foi predita 700 anos antes de Cristo. Isaías escreveu: “Ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. Isso era uma referência a Jesus, “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. Com a sua morte, “Deus cumpriu o que dantes anunciara por boca de todos os profetas: que o seu Cristo havia de padecer” (Is 53.5; Jo 1.29; At 3.18).
A morte de Jesus foi vergonhosa e humilhante. A morte na cruz era utilizada pelos romanos para punir ladrões e escravos, os quais eram açoitados e depois crucificados. Jesus foi exposto a esta mesma vergonha, como está escrito: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro)” (Gl 3.13).
A morte de Jesus foi voluntária. Jesus morreu porque quis. Ele disse: “O Pai me ama, porque eu dou a minha vida para a reassumir. Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou” (Jo 10.17). A sua atitude nada tinha de fatalista nem de complexo de mártir. Ele queria tão somente cumprir a vontade de Deus.
A morte de Jesus foi substitutiva. Quem substitui alguém, toma o seu lugar e lhe faz as vezes. Isso quer dizer que Jesus tomou o nosso lugar, fazendo-se voluntariamente culpado. Pedro disse: “Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça”. Paulo escreveu: “O qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniquidade” (1Pe 2.24; Tt 2.14).
O valor da cruz de Cristo está na sua mensagem, que é “loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus” (1Co 1.18). Por isso, como milhões de servos de Jesus, eu também canto: “Sim, eu amo a mensagem da cruz, ’té morrer eu a vou proclamar. Levarei eu também minha cruz, ’té por uma coroa trocar”.
Cristãos, erguei-vos e honrai a cruz de Cristo! Lembrai-vos sempre desta oportuna sentença: “É muito fácil levar Jesus no peito; o difícil é ter peito para andar com Ele”.
Samuel Câmara
Pastor da Assembleia de Deus em Belém
Fonte: